domingo, 13 de outubro de 2019

Tudo bons meninos (2019) | Cinema Com Pipocas

Sinopse:

"Max, Lucas e Thor são 3 pré-adolescentes que, numa tentativa infrutífera de aprender a beijar, se envolvem em graves sarilhos. Entre eles está a perda do drone do pai de um deles, o acesso às drogas de um gangue de criminoso, álcool a que nunca deviam ter acesso e, pior do que tudo isso, a terrível fúria de 2 adolescentes."                                                         - cinecartaz.publico.

Diretor: Gene Stupnitsky.


Imagem da minha autoria - "Good boys", "Tudo bons meninos"

Opinião:

O ano de 2019 ainda não chegou ao fim e ainda faltam cerca 2 meses para o próximo ano, no entanto, até agora e com toda a sinceridade digo-vos que "Tudo bons meninos" foi o melhor filme de comédia que vi em pleno 2019.

Fui ver ao cinema já a umas boas semanas atrás (senão quase há um mês) e foi preciso este tempo todo ter passado para poder escrever a minha opinião relativamente ao filme. Como trata-se de uma obra cinematográfica de comédia é mais difícil partilhar a minha opinião sem dar spoilers, mas vou tentar!

O Max é um rapaz que tem uma voz giríssima e que, por conseguinte, gosta de cantar. Vai a todas aulas de canto e andava ansioso por participar num musical que iria decorrer na escola até que um dos rapazes mais populares o questiona sobre o que significa ser um rapaz que gosta de cantar. Desta forma, Max tem de repensar no tipo de pessoa que é e que quer ser sem que isso o afete de forma psicológica e social entre o seu atual grupo de amigos e o grupo com mais status na escola.

O Lucas é só a minha personagem favorita de todo o elenco. Em primeiro lugar acho imensa graça à sua maneira própria de pensar, em segundo ao fato de que tenta tirar o lado positivo de tudo e em terceiro porque procura ajudar toda a gente com os seus dilemas. Entre estudos e conversas com o seu grupo de amigos, o Lucas passa por uma situação familiar um pouco complicada na qual tenta encontrar força no seu círculo de amigos. Mas, quando os amigos que conheces durante toda a tua vida te deixam e cada um deles parte para a sua vida em quem te vais apoiar? Os seus velhos amigos continuam de uma certa forma lá, para se apoiarem e entre ajudarem sempre que precisam, mas, nada volta ao que um dia era.

O Thor aparenta ser a personagem mais nova pelo seu rosto, enquanto o Lucas parecia ser o mais velho e o Max o do meio. No entanto, de todo o seu grupo de amigos é o que tem mais estilo e é também o único que tem uma crush. Vive apaixonado por uma rapariga que anda só com os mais populares da escola e a toda a hora pensa no dia em que finalmente vai ter coragem para entregar um presente que ele próprio fez para a sua cara metade e quem sabe ter igualmente coragem para se declarar.

Apesar de tudo isto, reside ainda uma pergunta fundamental: como é que se beija? E, é com base nesta premissa que este e os seus outros dois colegas vão partir numa grande aventura.

Para resumir "Tudo bons meninos", é um filme que vale a pena ver essencialmente por dois motivos:

1- Faz-nos rir às gargalhadas (todos os espectadores presentes na sala de cinema se riram);

2- As personagens são hilariantes (seja o Max, o Lucas ou o Thor a verdade é que cada um tem uma singularidade única e que nos faz rir até a barriga doer de cada vez que aparece um novo plano).

"Tudo bons meninos"


Quem já viu este filme?

sexta-feira, 11 de outubro de 2019

Foco, Força e Fé

Um lembrete para os dias mais exaustivos, porque para esses precisamos mais. De mais foco, de mais força e de muito mais amor. Foco no nosso objetivo ou objetivos, força para o levarmos a cabo até ao fim (se tiver um fim), amor para todos os dias (e a qualquer hora) e por último fé acredita em ti ( e nas tuas capacidades).

Na época de Outono e Inverno, sinto que numa perspetiva mais geral as pessoas vão mais abaixo, andam mais cansadas e desanimadas. O que por si já é um fio condutor da perda de no mínimo metade da motivação para continuar seja com o que for para a frente.

E, para isso precisamos de mudar. Mudar as lentes (foco) para podermos priorizar o que realmente queremos de momento e assim, o alcançarmos (independentemente do nome que o teu sonho tiver). E, se esses objetivos estão bem longe de se concretizarem trata-se pura e simplesmente de uma questão de mudares as lentes.

Imagem da minha autoria - "Foco, Força e Fé"
Se queremos aguentar com todos os desafios que alcançar um objetivo implica então precisamos de recarregar as nossas energias. Umas mentes funcionam mais com sol e outras mais com a chuva. Mas, se o tempo não te ajuda, então ajuda-te tu a ti próprio. Faz sol dentro do teu coração independentemente de estar a chover lá fora. Faz chuva no teu coração independentemente dos raios de sol que te tocam. Assim temos quase todas as ferramentas para podermos acalentar com os maiores obstáculos, adversidades e indisposições.

Os dois pontos anteriores até fazem sentido depois de alinhados, mas, deixarão de o fazer se não o tivermos de entregar a ninguém. Tudo o que fazemos é por ou para alguém, com um propósito maior do que nós. E nessa lista que podes estar já a pensar das pequenas coisas que completas no teu dia a dia em prol de alguém já riscaste tu? Sim, tu também precisas de amor para funcionar a 100%. Precisamos de ser amor para o podermos distribuir nas mais diferentes freguesias que o nosso coração conheceu.

Agora diz-me se tiveres estas três bases bem trabalhadas será que não te falta mais nada? Cada projeto, cada passo, cada etapa só avança se em primeiro lugar de tudo acreditares em ti e nos teus. Podes estar quase a chegar ao fim da meta e partires diretamente para o reset se não acreditares em ti, nas tuas capacidades, na tua história.
Espero que este pequeno lembrete que passou algures num ecrã durante o teu dia te faça acima de tudo despertar e agarrar no que falta e seguires em frente. Porque o caminho é em frente.

Agora diz-me como está o teu foco, a tua força, (o teu amor por ti e pelos teus) e a tua fé?

quarta-feira, 9 de outubro de 2019

Cidade de Vidro de Cassandra Clare | Livros

Sinopse:

Entre o caos da Guerra, os shadowhunters ou os caçadores de sombras devem decidir lutar com os vampiros, os lobisomens e o resto do submundo ou contra eles. Entretanto, o Jace e a Clary têm uma decisão para tomar: devem persuadir o amor que sabem que é proibido?

Fotografia da minha autoria - Cassandra Claro, city of glass

Opinião:


O 3º livro da série Shadowhunters - Cidade de Vidro - foi até agora o que mais gostei de ler. No início, demorou um pouco mais para a ação se desenrolar no entanto, quando finalmente as coisas começaram a aquecer tornava-se quase impossível fazer uma pausa sem pensar em como tudo poderia terminar.

"Weakness and corruption aren't in the world, they're in people. And they always will be. The world just needs good people to balance them out."

Neste volume, Clary continua a tentar ter a sua mãe de volta e sem muito sucesso até que uma velha amiga da sua mãe - Madeleine - surge e partilha com ela que a única solução possível de recuperar a sua mãe - Jocelyn Fairchild - é a de ir até Idris (Cidade de Vidro ou a casa de todos os shadowhunters) e procrurar pelo warlock - Ragnor Fell. Uma aventura mais arriscada dado que os seus poderes escondidos podem ser se descobertos e assim, tornar-se motivo de exploração pelos outros caçadores de sombras.

No que diz respeito, à amizade de Clary e Simon Lewis (só agora descobri o seu segundo nome) ambos não mudaram nada. Continuam a estar e a ser um amigo ou amiga um para o outro e apoiam-se mútuamente. Apesar, de passarem por uma fase de amor não correspondido, cada um sabe a importância e o valor que o outro tem na sua vida. Sendo assim, a amizade continua sólida, de pé e forte.

"But as long as I remember what is was like to love you, I'll always feel like I'm alive."

Clary e Jace apesar do amor mútuo que sentem sabem que se assumirem respetivamente o que cada um verdadeiramente sente bem como permitirem-se amar vai contra tudo o que não podem. O amor de uma mãe pelos seus dois filhos e o respeito pelo resto dos caçadores de sombras.


"I Love you, and I will love you until I die, and if there's a life after that, I'll love you then."

É também neste livro que a família Lightwood (o Alec e a Izzy) enfrentam uma grande perda. E, o fato de tentarem encontrar uns nos outros (família e amigos) alguma consolação pode não chegar para a Izzy não se culpar pelo que sucedeu. E, deixem-me dizer que não estava nada à espera de que tal acontecesse.

"In Isabelle's world, rage equaled passion equaled a good time."

No entanto, aspetos bons também acontecem só que são deixados bem para o final. E, que surpresas boas aguardavam-me! Há boas reflexões que podemos tirar partido assim como algumas lições. Sei que um livro não serve só como refugio ou como ensinamento porque bons livros servem para nos fazer sentir realidades diferentes. E, de como a coragem de cada um não é equitativa por todos nem que o amor é algo que se deve sentir no mesmo patamar do que a outra pessoa sente por nós. Há quem goste sempre um pouco mais ou um pouco menos profundo. Tudo muda consoante as personagens que são colocadas no centro do palco.

"All he wanted was not to be afraid, and so he was afraid all the time."

Pontuação: 4,5 estrelas.

domingo, 6 de outubro de 2019

As eleições Legislativas resumidas num vídeo | Web

Toda a gente sabe a importância que cada voto tem (nem que seja em branco ou nulo, porque até esses traduzem uma determinada opinião) para o país. O que com isso, pode (ou não) mudar, bem como o valor que cada um reconhece ou que pelo menos deveriam ver refletido na liberdade através do direito que temos atualmente de votar.

É algo simples para os dias de hoje porque outrora era algo impraticável. É algo cada vez mais desvalorizado ou desconsiderado nos dias que correm, mas, que no passado era um objetivo pelo qual valeu a pena lutar. É algo que está no nosso direito e no nosso dever enquanto cidadãos. Até porque se não exercemos o nosso direito porquê que tantos dos nossos antepassados arriscaram as suas vidas? ou ainda o porquê que não existir interesse no rumo que o nosso país pode tomar?

Fotografia da minha autoria - Portugal, legislações
Não adianta criticar se no final de contas não se for votar. Não adianta fazer protestos se mais tarde nem nos passa pela cabeça cumprirmos com o nosso direito e dever. Confesso que a política é de longe a temática que estou menos informada, mas, pela qual tento seguir. Através de programas como "Gente que não sabe estar" que junta um pouco de humor à mistura e dá para descontrairmos um bocadinho no meio de tanto debate.

Assim, não podia deixar de partilhar o vídeo que se encontra abaixo. Vi apenas ontem e é do humorista  Guilherme Geirinhas. Achei um trabalho incrível! De uma forma cômica desperta a nossa curiosidade para um assunto que na maior parte das vezes é chatinho e faz um resumo do que afinal são as legislativas. O pouco do que eu percebo do assunto achei fenomenal!

"Tudo sobre as eleições | Coisas chatas com humor"


Como ele próprio diz no título são coisas chatas com humor. Para alguns, este vídeo pode também ajudar de uma forma muito geral a compreender como as eleições legislativas funcionam, pelo menos para mim interligou-se algumas luzinhas. Espero que se riam como eu e não se esqueçam de votar, afinal de contas é um direito e um dever.

sábado, 5 de outubro de 2019

O que se encontra no Instagram?! Tailored Tile #1 | Web

Recentemente, tenho explorado um pouco mais as contas/páginas infinitas do Instagram, em parte pela minha curiosidade insaciável de todos os dias descobrir algo novo para seguir (seja em qualquer uma das redes sociais que nos bombardeiam constantemente com notificações) e a outra parte pela necessidade diária que sinto de me manter atualizada relativamente a projetos/trabalhos que vão surgindo.

Consequentemente, acabo por clicar no botão seguir com bastante facilidade. A parte mais complicada é não me aborrecer com o conteúdo que criam. Por esse mesmo motivo, gosto de saber o que há de novo ou as ferramentas que outras entidades estão a utilizar para nomeadamente partilharem os seus trabalhos.

A página que hoje venho partilhar convosco é a "Tailored Tile". Esta empresa para além de reutilizar o plástico alia-se à componente do design, isto é, reaproveita o plástico reciclado para futuros quadros que podem estar na vossa casa com o tipo de imagem que bem entenderem.

Fotografia da minha autoria - Reciclar, Meio ambiente
A empresa inspirou-se essencialmente no azulejo de cerâmica caraterístico de Portugal (na forma tradicional) e assim reaproveita este material que é hoje em dia uma das grandes causas do meio ambiente se encontrar na atual situação.

Num pequeno à parte, porque conversa puxa conversa e porque estas conversas são necessárias...

(Todos estes problemas existem não porque esta substância foi outrora criada, mas, sim porque nós (consumidores) não o reciclamos como deveríamos na maior parte das vezes e porque foi inserido em multi objetos. Não é à sorte que é difícil retirar este elemento do mercado (e quando digo do mercado digo de quase todos os produtos/ utensílios em que está impregnado) desde já pelo nosso uso excessivo e sem refletirmos o que as nossas ações poderiam eventualmente causar. Não acho de todo, que é por trocarmos a componente do plástico por outros materiais como a madeira ou o bambu que o problema ambiental vai deixar de existir, mas, sim que ajuda a diminuir. E, pelo menos é um começo que já faz uma diferença. Sou apologista de começarmos a reciclar o nosso lixo e a seguir todas aquelas regras da reciclagem porque acredito que isso é que vai gerar a grande diferença.)

E agora voltando ao assunto...

Assim de uma forma decorativa podemos ter obras giríssimas na nossa casa, no nosso escritório ou em qualquer outro lugar que na verdade tenha uma parede. De momento, partilha na sua conta de instagram os vários trabalhos de diversos clientes que encomendam a peça no tamanho e com o desenho que assim pretenderem.

Fotografia da Tailored Tile, via@instagram

Podem acompanhar melhor:

→ pelo website;
→ e pelo instagram.

Para concluir, sugiro que deem uma vista de olhos nesta página. Eu estou a seguir essencialmente por 3 motivos:

→ o 1º porque para além de sentir que estou a apoiar este trabalho (nem que seja porque sigo);
→ o 2º gosto também de ver os vários quadros que os seus clientes pedem (existem vários muito giros!);
o 3º ver ainda as pequenas maravilhas que grandes pessoas fazem não só como um negócio, mas, também como uma forma de ajudar o nosso Planeta.

O que acham da iniciativa desta empresa? E, indo mais a avante qual é a vossa opinião na relação do plástico com o meio ambiente (todas as opiniões são válidas e valem o que valem, mas, gostava que partilhassem o vosso ponto de vista.)?

quinta-feira, 3 de outubro de 2019

3 Perceções depois de 1 ano de blog | Blogosfera

Há perceções que só quem tem um blog ou quem escreve regularmente pode-se identificar relativamente nesta pequena lista que se segue. Estava a preparar um outro artigo com o mesmo tema quando momentaneamente recordava o que sinto depois de algum tempo a escrever quase todos os dias.

A verdade é que há um input que se aciona quando precisamos de escrever. Escrever por prazer, por dever ou por liberdade de expressão. Eu escrevo pelo melhor dos dois mundos: porque de alguma forma o meu mundo torna-se o vosso e os meus dias ficam maiores (lado bom da partilha) e porque posso (infelizmente, há quem até quisesse escrever, mas, não tem os meios para o fazer).

Imagem da minha autoria - Blogosfera, blog
Desta forma, optei por partilhar convosco 3 principais mudanças que senti desde que me tornei blogger. Assim, segue uma lista com 3 pequenas perceções que retiro do hábito de escrever frequentemente após ter um blog com 1 ano e 8 meses.

1- Desde que comecei a escrever que me sinto muito mais leve (de corpo e alma): Há uma certa leveza de espírito que advém de escrever com uma certa periodicidade. Quanto mais escrevo, mais sossegado o meu "eu pensante" fica em relação ao resto do meu corpo. Por conseguinte, traz uma espécie de equilíbrio à minha vida que torna tudo um pouco mais fácil. E tudo porque já desabafei, partilhei a minha opinião a determinados assuntos e ainda criei conteúdo para que um outro alguém o leia, goste ou não e partilhe comigo o seu ponto de vista.

2- Este blog que nasceu de um capricho e de um desejo tornou-se mês a mês num ombro amigo: Quando digo capricho e desejo entenda-se que quero dizer que a minha personalidade é mais teimosa comparada com o lado lógico dos meus medos. Principalmente aquele medo que se sente quando estamos prestes a iniciar algo que sabemos que vai ser exposto a uma grande maioria de pessoas pela qual não vamos ter gande tipo de controlo. Digo também mês a mês, porque após criar o blog, comecei por conhecer melhor o grande mundo da blogosfera. Deste modo, comecei a ganhar um lugar onde podia partilhar tudo o que bem entendesse  e a perder aquele receio de algo porventura dar errado. Além de que, o aspeto da partilha permite-me ter um ombro amigo por mais distante que esteja, pois, posso sempre partilhar o me angustia de momento e ainda, ter o vosso apoio e respetiva ajuda. E é essencialmente aqui que vocês fazem parte de algo maior - com os vossos comentários e visualizações -vocês ajudam este pequeno projeto a crescer.

3- Vontade de escrever sobre tudo e a qualquer hora: estabelecer um horário em que apenas nesse bloco de horas posso escrever, planear e organizar os artigos aqui para o blog, é algo que ainda não consegui. Funciona mais como - sempre que me apetece escrevo desde que não prejudique parcialmente outras atividades presentes do meu dia.

Estas 3 enumerações são apenas algumas das perceções que senti desde que comecei a escrever. Mas e vocês? O que sentem que mudou desde que começaram a escrever ou desde que começaram um novo projeto recentemente?

terça-feira, 1 de outubro de 2019

Outubro em 7 palavras

Imagem da minha autoria - Outubro em 7 palavras
Outono:

↠ É com todo o entusiamo que dou as boas vindas a este novo mês, a esta nova estação do ano. A minha estação preferida e sem dúvida, os dias mais esperados do ano. Não sei o que mais me encanta no mês de outubro, mas, sei que o friozinho, as folhas, o chá ou o leite com chocolate quentinho, as mantas, os livros, a música, o sofá e os banhos quentes são pequenas junções que me deliciam.

Castanhas:

↠ Confesso que não sou fã e que nem tão pouco gosto, embora seja um throwback aos hábitos tradicionais que se tem por norma e em especial neste mês, não sou consumidora. No entanto, reconheço o valor que uma castanha tem na nossa cultura e nas vidas de centenas de pessoas. Vocês gostam de castanhas ou nem por isso?

Despir:

↠ Das folhas e daquela camada feia - as vaidades, as invejas - de nós próprios. As folhas precisam de cair para outras voltarem a nascer. E, tal como elas, também nós precisamos de cair muitas vezes para podermos ser continuamente um processo de evolução positiva. Voltar com forças, com objetivos, com vontade de avançar mais um par de escadas sem olharmos para a margem que nos segura da queda.

Núcleo:

↠ Cada vez acho mais importante termos e sermos um núcleo. Termos um núcleo com pessoas que embora, nem sempre perto podemos contar com elas para tudo. Quando digo tudo refiro me mesmo a tudo. Mas, também precisamos de ser esse núcleo, de o construir e de o cimentar sempre com amor.

Farol:

↠ É nas horas mais escuras do dia que tendemos a perder a luz interior, a que nos guia dia e noite e a que nos resguarda dos nossos maiores pesadelos. Assim, que sejamos nós o nosso farol para nunca o percamos de vista e que tenhamos sempre força para não o apagarmos.

Recentrar:

↠ Restabelecermo-nos no mapa da vida. Sempre que fugirmos da estrada que o nosso gps nos relembre de nos centrarmos.

Abraços:

↠ Porque são miminhos bons de receber e de dar em todas as horas do dia.

Como foi o vosso 1º dia deste mês tão cozzy e gostoso?
Com tecnologia do Blogger.